function anti_sqli($sqli){ $naopode = array('INSERT', 'insert', 'DROP', 'drop', 'SELECT', 'select', "'", ' or ', ' OR ', '--', 'WHERE', 'where'); $sqli = str_replace($naopode, '', $sqli); $sqli = trim($sqli); $sqli = strip_tags($sqli); $sqli = addslashes($sqli); $sqli = mysql_real_escape_string($sqli); return $sqli; }

GERAL - 30/05/2017 - 09:54

Professores fazem paralisação e suspendem aulas da rede estadual

Escolas da rede estadual de Mato Grosso do Sul não têm aula nesta terça-feira (30), devido a paralisação dos professores e administrativos. Eles pedem reajuste de 7,64% do piso salarial nacional que tem janeiro como data-base.

As principais escolas de Campo Grande não tem aula, como a Joaquim Murtinho e o Lúcia Martins Coelho, na região central. Ambas não abriram nesta terça-feira.

A paralisação de hoje é realizada pela Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de MS) e os professores devem se reunir a partir das 8h na rotatória da avenida Afonso Pena com o Parque dos Poderes, para um ato em frente a secretaria estadual de Educação.

A Federação tem 25 mil profissionais sindicalizados e 362 escolas foram convocadas a parar, mas ainda não se sabe quantos aderiram a paralisação que também atinge os 68 municípios do interior.

Conforme a Fetems, o aumento é assegurado pela Lei 11.738/2008, a chamada Lei do Piso, e pela Lei Complementar Estadual n.º 200/2015. A Federação reclama ainda da não incorporação de abono de R$ 200,00 no salário dos servidores administrativos da Educação.

Houve uma reunião na noite de ontem entre profissionais da Educação e representantes do Governo do Estado, que terminou com a garantia de que todos educadores que trabalham a partir de 20h semanais recebam o piso nacional.

O secretário estadual de Administração, Carlos Alberto de Assis, apresentou proposta que prevê a todos os professores da ativa a garantia de continuarem recebendo no mínimo um salário equivalente ao piso nacional, onde está prevista jornada de 40h semanais.

Foi proposta ainda a repactuação dos prazos para aplicação de reajuste sobre a Lei do Piso, com prorrogação para 2018, em virtude da queda da receita estadual, bem como da necessidade de as contas estaduais se submeterem à Emenda Constitucional 77, de 18 de abril de 2017, que trata do limite de gastos.



Fonte: Campo Grande News